ATD Sistemas

COISAS DO BRASIL...

Compartilhar:
O mundo todo permite a venda direta de etanol aos postos. No Brasil, uma resolução de 2009 favorece as distribuidoras
Ontem, na CanaOnline publicamos um parecer de Marcos Fava Neves, professor da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (FEA/USP) e sócio da Markestrat, de que o litro do etanol em Ribeirão Preto, SP, está mais de R$ 1,20 acima do preço de saída da Usina.
Na postagem da notícia na página do Facebook da CanaOnline, muitos comentaram que essa grande diferença entre o preço do litro do etanol comercializado pela usina para a distribuidora e o vendido nos postos acontece em muitas regiões do país.
O jornalista Cláudio Humberto, em sua coluna Diário do Poder, salienta que o Brasil e o consumidor perdem muito dinheiro e desperdiçam tempo, por causa de uma resolução de 2009 proibindo o produtor de vender diretamente ao consumidor o etanol que fabrica, como se faz no mundo inteiro.
No Brasil, prevalece o lobby do atravessador (distribuidora), que compra o etanol por preço baixo e o entrega aos postos de combustível a preço elevado, tornando-o bem mais caro para o consumidor final.
Segundo Cláudio Humberto, o etanol viaja até milhares de quilômetros até voltar ao posto a 10 metros da destilaria que o produziu, custando várias vezes mais caro. No passeio de centenas e até milhares de quilômetros até chegar ao posto, há o risco, consumado todos os dias, de o etanol ser adulterado.
“O mundo todo permite a venda direta de etanol aos postos. No Brasil, influentes lobistas tornam esse negócio exclusivo de atravessadores. A resolução que beneficia o atravessador no Brasil tem o nº43 e foi adotada em 2009 pela Agência Nacional do Petróleo (ANP)”, observa o jornalista.


Fonte: CanaOnline


Desenvolvido por: Jonas Fahelysson