ATD Sistemas

PROGRAMA CRIANÇA FELIZ ATENDE 150 FAMÍLIAS EM PRINCESA ISABEL

Compartilhar:
Com sede na Secretaria de Assistência Social, o Criança Feliz é um programa social do Governo Federal que atende 150 famílias no município de Princesa Isabel. O governo municipal vem promovendo ações que melhorem os índices dos indicadores sociais na primeira infância. As políticas públicas de desenvolvimento também seguem acompanhadas de perto até a adolescência. Este trabalho também objetiva a reconquista do Selo Unicef perdido em 2016 em razão da queda acentuada de todos os indicadores sociais. 

O Criança Feliz é um programa que tem o objetivo de apoiar e acompanhar o desenvolvimento infantil integral na primeira infância (crianças de 0 a 6 anos de idade) e facilitar o acesso da gestante, das crianças na primeira infância e de suas famílias às políticas e aos serviços públicos que necessitam.

O Programa se desenvolve por meio de visitas domiciliares que buscam envolver ações de saúde, educação, assistência social, cultura e direitos humanos

O Programa estimula a responsabilidade dos adultos que são referência para a criança no seu dia-a-dia, que se relacionam diretamente com ela, estabelecendo os vínculos afetivos mais próximos durante os seus primeiros anos de vida. O Programa promove também o fortalecimento do papel das famílias no cuidado, na proteção e na educação das crianças na primeira infância e encoraja o desenvolvimento de atividades lúdicas envolvendo outros membros da família.

Outro papel importante do Criança Feliz é reforçar a implementação do Marco Legal da Primeira Infância, Lei 13.257/2016, que ressalta a necessidade da integração de esforços da União, dos estados, dos municípios, das famílias e da sociedade no sentido de promover e defender os direitos das crianças e ampliar as políticas que promovam o desenvolvimento integral da primeira infância.

Na imagem, a monitora Rafaela Cristina, em visita domiciliar.

Ascom / MDS
A imagem pode conter: 1 pessoa, em pé e atividades ao ar livre

Desenvolvido por: Jonas Fahelysson